🛡️ Chrome vai limitar ações dos bloqueadores de anúncios

O Google vai restringir o bloqueio de anúncios a partir de extensões do Chrome. Apenas usuários corporativos devem manter os recursos de bloqueio completo. Em janeiro, o Google anunciou uma proposta de alteração no sistema de extensões do Chrome, chamado Manifest V3, que impediria que os bloqueadores de anúncios atuais funcionassem de maneira eficiente. Mesmo com todo o feedback negativo, o Google está firme em relação às alterações de bloqueio de anúncios do Chrome. Além disso, haverá uma nova forma de bloquear conteúdos publicitários que permite ao Google rastrear os usuários. Ou seja, eles saberão exatamente o que foi bloqueado.

Com a proposta do Manifest V3, o Google descontinua a capacidade da API do webRequest de bloquear uma solicitação específica antes que ela seja carregada. Como seria de esperar, os utilizadores avançados e os programadores de extensões criticaram a proposta da Google de limitar a capacidade do utilizador de navegar na Web como achar melhor.

Agora, meses depois, o Google respondeu a algumas das várias questões levantadas pela comunidade. O aspecto mais importante, no entanto, é uma única sentença oculta no texto, esclarecendo suas alterações no bloqueio de anúncios e nas extensões de bloqueio de privacidade.

O Google Chrome está preterindo os recursos de bloqueio da API webRequest no Manifest V3, não da API webRequest inteira (embora o bloqueio ainda esteja disponível para implantações corporativas).

O que muda?

O Google está essencialmente dizendo que o Chrome ainda terá a capacidade de bloquear conteúdo indesejado, mas isso será restrito a apenas usuários corporativos pagos do Google Chrome. É provável que isso permita que os clientes corporativos desenvolvam extensões internas do Chrome, para o uso de bloqueio de anúncios.

Para o resto, o Google não mudou suas alterações para os bloqueadores de conteúdo Isso significa que os bloqueadores de anúncios precisarão mudar para um sistema menos eficaz e baseado em regras. Este sistema é como os bloqueadores, como o AdBlock Plus, funcionam atualmente.

Uma das preocupações originais de mudar para esse sistema era o fato de que o Google Chrome atualmente impõe um limite de 30.000 regras, enquanto listas populares de regras de bloqueio de anúncios, como a EasyList, usam mais de 75.000 regras. Na resposta, o Google afirma que está procurando aumentar esse número, dependendo dos testes de desempenho, porém não conseguiu se comprometer com nada específico.

Estamos planejando aumentar esses valores, mas não teremos números atualizados até que possamos executar testes de desempenho para encontrar um bom limite superior que funcione em todos os dispositivos compatíveis.

O desenvolvedor líder do uBlock Origin, Raymond Hill, comentou sobre a situação, tanto para o The Register quanto para o GitHub do uBlock Origin. Ele defende que os bloqueadores de anúncios sejam completamente contra o modelo de negócios do Google.

O principal negócio do Google é incompatível com o bloqueio de conteúdo sem restrições. Agora que o produto Google Chrome alcançou uma alta participação de mercado, as preocupações com o bloqueio de conteúdo, conforme declarado em seu arquivamento de 10 KB, estão sendo resolvidas.

Bloqueadores de anúncios ameaçam receitas do Google

O próprio Google admitiu isso em um recente formulário Form 10-K apresentado pela Alphabet, descoberto por Hill. Lá as extensões de bloqueio de anúncios são rotuladas como um “fator de risco” para as receitas do Google.

Tecnologias novas e existentes podem afetar nossa capacidade de personalizar anúncios e/ou bloquear anúncios on-line, o que prejudicaria nossos negócios. As tecnologias foram desenvolvidas para tornar os anúncios personalizáveis mais difíceis ou para bloquear a exibição de anúncios, e alguns provedores de serviços on-line incorporaram tecnologias que poderiam prejudicar a funcionalidade central da publicidade digital de terceiros. A maior parte de nossas receitas do Google é derivada de taxas pagas a nós relacionadas à exibição de anúncios on-line. Como resultado, essas tecnologias e ferramentas podem afetar adversamente nossos resultados operacionais.

Com isso em mente, a mudança faz muito sentido quando você pensa no Chrome como uma forma de o Google exibir melhor os anúncios em seus dispositivos. Ao permitir que os bloqueadores de anúncios continuem funcionando, eles estão permitindo um impacto negativo direto em seu maior fluxo de receita. Os usuários corporativos do Chrome recebem uma exceção porque são um fluxo de receita separado.

Fonte: SempreUPdate


Serviços
Comentário(s)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Powered by SuaInternet.COM


Serviços

Atendimento OnLine
Enviar...